BLOG DO ADAIL

Conhecer a Deus é fundamento eterno de bem-aventurança - glória eterna. Não o conhecer é eterna perdição. Deste modo, o conhecimento de Deus é tudo: vivifica a alma, purifica o coração, tranquiliza a consciência, eleva as afeições, e santifica o caráter e a conduta. - Irmão Adail

"Ah, se pudéssemos ter mais fé num Salvador amoroso e vivo, e se pudéssemos abrir nossos corações o suficiente para receber mais do seu amor eterno, consumidor, constrangedor, penetrante; ah, se abríssemos nosos ouvidos para ouvir a doce voz do Noivo quando Ele sussura para nossas almas: "Levanta-te, meu amor, minha querida, venha, deixa as ilusões deste dia transitório. Ah, se sua voz arrebatadora pudesse alcançar nossos corações endurecidos para que tivéssemos sede e clamássemos por um relacionamento mais íntimo com o Salvador crucificado". - Pr. John Harper, que afundou com o TITANIC em 15.04.1912.

ATENÇÃO: O assento do escarnecedor pode ser muito elevado socialmente, todavia fica muito perto da porta do inferno, e logo ficará vazio.

"...prepara-te para te encontrares com o teu Deus" (Am 4.12). Como os crentes em Jesus podem viver com as malas prontas e prontos para partir? Não há mistério a este respeito; o bom senso nos deve indicar como fazê-lo. Estejamos inteiramente dedicados ao serviço de Cristo, todos os dias. Não vamos tocar no pecado com vara curta. Acertemos as contas com Deus. Vamos pensar em cada hora como uma dádiva de Deus para nós, para tirar dela o melhor proveito. Planejemos nossa vida, levando em conta setenta anos (Sl 90.10), entendendo que se o nosso tempo for menor do que esse prazo, isso não será uma privação injusta, mas uma promoção mais rápida. Vivamos no tempo presente; gozemos com alegria dos seus prazeres e abramos caminhos através de suas dores, contando com a companhia de Deus, sabendo que tanto os prazeres quanto as dores são passos na viagem para casa. Abramos toda a nossa vida para o Senhor e gastemos tempo conscientemente na companhia dEle, expondo-nos e correspondendo ao seu amor. Digamos a nós mesmos, com frequência, que a cada dia estamos mais perto. Lembremo-nos que o homem é imortal enquanto o seu trabalho não for realizado, e continuemos a realizar aquilo que sabemos ser a tarefa que Deus nos determinou para aqui e agora. Amém? - Irmão Adail

Uma única bomba devasta uma cidade, e o mundo está na era nuclear. Com a cisão de um átomo, temos um poder e uma força nunca vistos. Foguetes roncam no seu local de lançamento, e sua carga é despejada no espaço. Descobertas apenas imaginadas durante séculos são agora concretizadas à medida que começamos a explorar os confins do universo.

Vulcões, terremotos, maremotos, furacões e tufões deixam desprender sua força incontrolável e inexorável. Resta-nos procurar abrigo para mais tarde reunir aquilo que sobrou.

Poder, força, energia - observamos com admiração a exibição da natureza ou a obra do homem. Mas essas forças não se aproximam do poder de Deus onipotente. Criador de galáxias, átomos e leis naturais, o soberano Senhor reina sobre tudo o que existe e sempre será assim. Que tolice viver sem Ele, que estupidez correr e esconder-se de sua presença, e quão ridículo é desobedecer-lhe. Mas nós o fazemos. Desde o Éden estamos sempre à procura de sermos independentes de seu controle como se fôssemos deuses com o poder de controlar nosso próprio destino. E Ele tem permitido nossa rebelião. Mas, muito em breve, chegará o
DIA DO SENHOR.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Todas as Religiões São Boas?

Por que os cristãos afirmam que Jesus é Deus? Porque eles ignoram outros mestres e os ensinos de outras religiões? Por que eles dizem que Jesus Cristo é o único meio de salvação e que não podemos aceitar qualquer outro meio para chegar a Deus? Estas são as perguntas mais comuns que temos enfrentado em nosso dia a dia.
Quando olhamos para as religiões do mundo, verificamos que elas não estão apenas exigindo que nos associemos aos seus mestres, mas que neguemos a Divindade de Jesus Cristo, dando ao líder de cada uma delas igual ou maior importância da que damos ao nosso Senhor. Nesse caso, Jesus Cristo é sobrepujado por outros mestres, uma coisa que um cristão jamais poderia permitir.
A maioria dos líderes de outras religiões nunca se opõe ao que Jesus Cristo pregou, ou então mudam Suas declarações, a fim de enquadrá-las no seu próprio contexto religioso. Infelizmente, isso está acontecendo também entre os "cristãos emergentes", por conta do seu ecumenismo. Jesus disse que os Seus adeptos deveriam seguir somente a Sua Pessoa e os Seus ensinos, tendo exigido exclusividade, não apenas naquele tempo, mas até o final da história da humanidade.
O Islamismo, o Bahaísmo, o Mormonismo e muitas outras falsas religiões, todas elas afirmam que o seu "profeta" fundador recebeu uma revelação divina, ou seja, uma nova revelação. Mas, por que deveríamos aceitar essas afirmações humanas, que não podem ser comprovadas? Jesus Cristo "é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém." (Romanos 9:5); portanto, vamos segui-Lo! Ora, se Maomé, Baha’u’lla, Buda, Krishna e outros são deuses, que os ingênuos os sigam. Pelo fato de alguém se apresentar afirmando ser "Deus", muitos acreditam, simplesmente porque desconhecem a Palavra de Deus, a qual nos liberta de todo engodo religioso. Infelizmente, nos tempos atuais, muitos têm seguido falsos mestres e falsos ensinos. Contudo, somente Aquele que desceu do céu, pregou Suas doutrinas infalíveis, morreu numa cruz, foi sepultado e ressuscitou do túmulo, é digno de crédito. Este fato é tão verdadeiro como o de alguém se atirando de um alto rochedo e se despedaçando, sem a menor chance de sobreviver.
Algumas pessoas afirmam que existem muitas semelhanças entre os mandamentos éticos e morais do Judaísmo e do Cristianismo com os de todas as religiões, como o Budismo, por exemplo, o que, de um certo modo, é verdade. A religião pode revelar valores morais e até pode melhorar, temporariamente, a conduta das pessoas. Mas, no final de sua vida, ela jamais poderá garantir a salvação eterna, uma vida após a morte. Isso porque nenhuma religião apresenta uma solução definitiva para a maldade humana, ou seja, para o pecado.
Romanos 1, versos 19-25, ensina-nos:
"Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém".
Também, lemos no mesmo capítulo desta Carta de Paulo, versos 28-32:
"E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem".
Temos uma consciência para nos dirigir sobre o que é certo e o que é errado, sendo ela o nosso próprio juiz, em determinados momentos. Não importa qual seja o continente ou a religião seguida pela pessoa, ela sempre vai saber que é errado matar o seu semelhante. Isso mudaria, se todas as religiões e filosofias do mundo ensinassem o contrário, como uma forma de lei, o que não acontece. Deus colocou um sentimento de eternidade em nossos corações e sabemos que o que vemos nesta vida não representa tudo que existe. Por isso é que todas as religiões (exceto o Ateísmo, que também é uma religião) ensinam a existência de uma vida após a morte. Desse modo, podemos traçar os códigos éticos e morais das religiões, desde o início da história da humanidade. É aqui que o Cristianismo se eleva acima de todas as religiões do mundo, explicando tudo isso, através dAquele que é a fonte de todas as coisas.
Mesmo dentro do contexto do Judaísmo e do Cristianismo, homens como Moisés e os profetas do Velho Testamento e Pedro e Paulo, do Novo Testamento, poderiam ter substitutos tão bons, como eles foram, o que jamais poderia acontecer com Jesus Cristo, o fundador do Cristianismo. Como escreve Charles Gore:
"Receber esta verdade é ficar nocauteado diante do contraste que o Cristianismo apresenta, em comparação com as religiões do mundo. Por exemplo, o lugar que Maomé ocupa no Islamismo é totalmente diferente do lugar que Jesus Cristo ocupa dentro do Cristianismo e do que Moisés ocupa no Judaísmo. Nenhum dos fundadores de qualquer religião pôde declarar que estava falando como Deus. A substância do Islamismo, como religião, fundamenta-se exclusivamente em um livro. A pessoa de Maomé está alicerçada simplesmente no fato de ser ele um "profeta de Alá", o qual, supostamente, teria recebido as revelações contidas no Alcorão.
Quanto a Gautama, fundador do Budismo, considerado como um dos mais nobres indivíduos da humanidade, ele foi apenas o descobridor dos métodos ou do caminho de um tipo de salvação, o qual significa um meio de emancipação da exaustiva corrente da existência, até se chegar ao Nirvana, ou aniquilação final. Quando o budista encontra esse caminho, após muitos anos de exaustiva
O que desanima as pessoas ingênuas, nessas religiões, é que os seus líderes complicam tanto as coisas que deixam os iniciantes confusos, sentindo-se inferiores e culpados, quando não conseguem satisfazer às suas exigências. Mas, a verdade é que todos esses fundadores de religiões foram cortados da Terra, pelo inimigo de todos nós - a morte física.
Quando muitas pessoas afirmam: "Eu creio em Jesus Cristo", elas querem simplesmente dizer que acreditam no Jesus histórico; no homem bom, no grande mestre. Jamais acreditam que Ele seja o que nós, cristãos bíblicos, afirmamos que Ele é. Aquele Deus que está na Bíblia; Aquele Jesus que citou tantas vezes o Velho Testamento, o Qual anunciava a Sua vinda, sendo Ele mesmo o centro de todas as profecias do V.T.; Aquele por quem e para quem tudo foi criado. Como esta é a única verdade, então Jesus não foi apenas um homem bom, nem um grande mestre. Ele é o Criador do universo, Aquele que realizou milagres inigualáveis, a fim de comprovar a Sua Divindade. Se pesquisarmos 3 ou 4 religiões do mundo, veremos que Maomé, Buda, Baha’u’,lla e Krishna jamais puderam dizer "EU SOU", simplesmente porque não teriam como fazê-lo.
O Evangelho de Cristo não é apenas uma verdade entre muitas, mas a única verdade. Ele não se compara às religiões que, hoje em dia, são escolhidas, do mesmo modo como se escolhem, no self-service, os alimentos que nos apetecem. O Evangelho de Cristo é a Verdade absoluta; caso contrário, não existiria verdade absoluta e ela existe! Cristo afirma que é a verdade, ou seja, que Ele é Deus. Ele é o Deus que vela pela Sua Palavra, preservando-a, eternamente.
Um céptico honesto procura conhecer a verdade, usando a evidência, enquanto um desonesto nega a verdade, mesmo contra a evidência. Quem for verdadeiro que esquadrinhe o coração, a fim de encontrar Deus, pois Ele diz (em Jeremias 29:13): "E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração. Ele se dirigia a Israel, buscando-O na Grande Tribulação (??? Jeremias 29:1 não fala em "Grande Tribulação", mas em cativeiro); mas esta frase pode ser também aplicada ao contexto da igreja.
Quem não reconhece que é um pecador necessitado da graça e da misericórdia Divina, também não consegue aceitar Jesus Cristo como o seu grande Deus e Salvador. Jesus disse aos judeus: "Se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados" (João 8:24). "Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou" (João 8:58). "Eu e o Pai somos um" (João 10:30). Jesus Cristo é Deus ou então é um tremendo mentiroso. Mas eu creio que Ele é Deus porque Ele ressuscitou dos mortos.
Jesus Cristo é o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Ele é o Deus de Moisés, de Pedro, de Paulo, de todos os cristãos verdadeiros. Ele veio ao mundo para salvar os pecadores. Esta é a mensagem do Cristianismo, a qual separa o TRIGO (os que crêem no Evangelho de Cristo) do JOIO (os adeptos das religiões do mundo). Quem não aceitar esta verdade insofismável, e não se converter ao Evangelho de Cristo, estará correndo o perigo de perder sua alma, eternamente. Nenhuma religião conduz a Deus, pois é o próprio Deus quem nos conduz a Ele mesmo. As religiões são um resumo do homem pecador e perdido tentando alcançar Deus. O Evangelho de Cristo é Deus descendo do céu para buscar o homem, abrindo os Seus braços amorosos, numa rude cruz, para receber todos os pecadores, que aceitarem o Seu sacrifício, após ter dito, algum tempo antes: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas" (Mateus 11:28-29).
As religiões do mundo ensinam que o homem deve praticar boas obras para ser salvo. O Cristianismo bíblico ensina que o homem deve se entregar a Jesus Cristo, pela fé, a fim de, em seguida, praticar boas obras, que Ele mesmo vai operar em seu coração.
O Cristianismo se resume numa PESSOA - Jesus Cristo. Ele aponta para um túmulo vazio, de onde se ergueu o Rei dos judeus, pelo Seu próprio poder, a fim de comprovar a Sua Divindade. Todos os fundadores de religiões estão mortos, aguardando que Jesus Cristo, o Supremo Juiz da humanidade, os convoque da morte física para a definitiva morte eterna.
busca, ele está apto a ensiná-lo a outros iniciantes, sendo apenas um exemplo do seu próprio método, um dos muitos entre os iluminados, que poderão refletir sobre os outros a luz de um conhecimento superior."

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Babilonismo em Roma

Numa noite de orgia idólatra promovida pelo monarca Belsazar, a grande potência babilônica chegou ao seu fim. Tétricos dedos a escrever ameaçadoras palavras na caiadura da parede interromperam o festim de luxo e de luxúria. E "naquela mesma noite Belsazar, o rei dos caldeus, foi morto" (Dan 5.30).
Invadida Babilônia pelo poderio medo-persa ascendeu ao trono caldaico o rei Dario. Entrementes o sumo pontífice, seguido de sacerdotes e levando imagens e vasos sagrados do culto ocultista, fugiu para a cidade de Pérgamo, na Ásia Menor. Transformara-se esta cidade, por isso, em "trono de Satanás" porque "onde Satanás habita" (Apoc 2.13).
Dessa localidade da Ásia Menor os sacerdotes da religião dos mistérios e da magia, sempre carregando sua bagagem religiosa, atravessaram o mar e se fixaram na Península Itálica, cognominada de "A TERRA SATURNINA". E Roma, onde de modo especial se centralizou o culto dos mistérios, naquele tempo passou a se chamar SATURNIA, cidade ou residência de Saturno, o título saliente do deus Tamuz por presidir ele o ocultismo. Isto tudo são dados indiscutíveis da História.
Conquanto os sacerdotes da magia impusessem a sua religião de mistérios, não conseguiram fazer prevalecer o seu próprio idioma caldaico. Em vasta região da "terra saturnina", sobretudo nas imediações de Satúrnia falava-se uma língua nativa, à qual atribuíram o nome de LATINUS procedente de LATIUM a outra cognominação dada a Saturnina, por serem ambos sinônimos. Com efeito, LATIUM procede do caldeu LAT e quer dizer "JAZ ESCONDIDO". Do vocábulo caldeu LAT origina-se também o verbo latino LATEO com a significação exata de ESTAR ESCONDIDO ou OCULTO.
O latim se tornou, portanto, a língua da religião dos mistérios, de acordo com a sua sinonimia de oculto, escondido, encoberto. Todo culto carregado de ritos misteriosos e de objetos de magia, proveniente de Babilônia se fixou em Roma que posteriormente seria a capital da grande potência do império latino. Graças a essa mentalidade ocultista babilônica, os romanos jamais tiveram qualquer dificuldade em reunir ECUMENICAMENTE todas as liturgias e todos os deuses de todos os povos bárbaros no grande PANTHEON.
Dentre tantos deuses latinos salientava-se o VATICANO. Instalaram-se os seus sacerdotes num campo próximo da antiga Roma e ali prognosticavam. Em nome do deus VATICANO proferiam seus infalíveis oráculos.
VATICANO é um nome derivado do latino VATICINIUM que quer dizer exatamente ORÁCULO, que, por sua vez, corresponde a INFALÍVEL. Do substantivo VATICINIUM decorre o verbo também latino VATICINARE (= vaticinar, predizer, augurar) e lhe são correlatas as palavras VATICINANS, VATICINATOR (= vaticinante, vaticinador). Vaticínio é predição, prognóstico.
Os adivinhos, sacerdotes do deus VATICANO, residiam naquele campo vizinho, mas fora de Roma e ali davam as suas consultas. O Imperador Calígula transformou parte daquele sítio em jardins. Nero, por seu turno, mandou depois melhorar o local e construir um circo. Os sacerdotes do deus VATICANO dos oráculos misteriosos, em seu ritualismo, exerciam a magia do próprio contexto de todo o babilonismo transferido da Caldéia para a Península Itálica. Exerciam eles a velha idolatria em decorrência do seu destino de justificar o nome de "A GRANDE BABILÔNIA" anexado ao nome MISTÉRIO da mulher prostituta. O campo vizinho de Roma onde residiam os sacerdotes do deus VATICANO e ali exerciam os ritos mágicos, ao se consumar a incorporação do catolicismo como religião destacada do império romano, nesse sítio Constantino Magno mandou edificar a basílica de São Pedro e o vasto palácio da habitação do "bispo" de Roma, o novo prognosticador, infalível vaticinador de oráculos.
Em julho de 1870, com a unificação da Itália, o soberano papal perdeu todos os territórios dos Estados Pontifícios, tornando-se perante as leis italianas e internacionais um cidadão comum. Em 11.02.1929, contudo, Benito Mussolini tirou-o dessa situação vexatória para o seu orgulho, ao criar, com o Tratado de Latrão, o Estado do Vaticano como nação independente da Itália e reconhecendo o "papa" como seu chefe político.
É do VATICANO que o "papa", o deus-vaticano do cristianismo babilonizado, profere os seus oráculos infalíveis, que, na postura de anticristo, com a sua boca vaticinante fala grandes coisas, profere palavras contra o Altíssimo (Dan 7.8,20,25) e fala como dragão (Ap 13.11). Infalível em seus vaticínios, lá do Vaticano, o atual deus-vaticano, soberano monarca da "grande Babilônia" mística, qual "papa", pai supremo, enxerta com o seu sêmen as entranhas sempre fecundas da mulher prostituta, a mulher MISTÉRIO, "mãe das prostituições e das abominações da terra", constantemente pejadas de fetos de novos dogmas e de novos ritos.
Amigo, pode ter a certeza absoluta de que o catolicismo romano é "A GRANDE CIDADE". Na condição de igreja caricaturizada é "A GRANDE CIDADE" de Apocalipse 17.18; 18.10,16,19,21), é a cidade ímpar à qual nenhuma outra se equivale. A solene "bênção" do "papa" é
URBI ET ORBI (para a CIDADE e para o mundo). Sim, ele quer abençoar o mundo inteiro. Antes, porém, abençoa a CIDADE. URBI ET ORBI!
O latim URBS (URBI é o caso dativo da terceira declinação) donde procedem em nosso idioma os vocábulos urbano, urbanidade, urbanismo, urbanizar. URBS quer dizer CIDADE. E nesta locução própria dos corredores vaticanos (URBI ET ORBI) é Roma, a GRANDE CIDADE, a antítese da Nova Jerusalém. Essa expressão atribuída à "bênção" papal, ao distinguir a CIDADE do restante do orbe, identifica o sistema católico regido pelo anticristo, o "papa" com a GRANDE CIDADE de Apoc. 17.18, que outra não é senão a "GRANDE BABILÔNIA".

sexta-feira, 24 de junho de 2011

"Apóstolos" e "Profetas"

Falsidade, engodo, apostasia, todas estas são palavras que descrevem o que o cristão pode esperar da Igreja e do governo, nos tempos finais. Não é preciso procurar qualquer coisa óbvia, má ou pecaminosa, mas algo apelativo, bom e recheado de termos bíblicos. Tudo vai ser apresentado por confiáveis eruditos, até mesmo pelos apóstolos de liderança. Existe atualmente um movimento na Igreja destinado a restaurar os ofícios de apóstolo e profeta dentro da mesma.
Alguns acham que o problema com a Igreja é falta de liderança apostólica e profética. O laicato precisa ser mantido numa prestação de contas maior. A Igreja está tropeçando por falta de liderança, visão e autoridade. Então, a fim de preencher essa necessidade, apóstolos e profetas estão brotando através do mundo e para coordenar o esforço, o "Apostolic Council of Prophetic Elders" (Concílio Apostólico de Anciãos e Profetas) foi estabelecido em Palm Springs, em 1999, com C. Peter Wagner como o "apóstolo principal". É tempo de nos organizarmos conforme os verdadeiros princípios bíblicos e eles vão nos ajudar a fazê-lo!
No livro de Wagner "Apostles and Prophets, the Foundation of the Church" (Apóstolos e Profetas, o Fundamento da Igreja), ele afirma que a razão do sucesso da Igreja Primitiva foi que ela teve um fundamento: primeiro, os apóstolos, segundo, os profetas. Hoje em dia já não existe um fundamento sobre o qual se construir. Wagner acredita que tem havido apóstolos e líderes através da história da Igreja, líderes visionários como Martinho Lutero, porém não foram reconhecidos desse modo. A Igreja da atualidade tem sido fundamentada sobre mestres e administradores, desde que o sermão se tornou o ponto focal do culto de adoração, de modo que já não existe liderança nem visão. (p. 10). Ele cita George Barna, o duplo pesquisador, como dizendo: "Enquanto a Igreja persistir em ser conduzida por mestres, ela vai tropeçar. Identificar, desenvolver, apoiar e sustentar LÍDERES dotados vai renovar a visão, a energia e o impacto da Igreja". (p. 11).
Em "Church Quake" (Terremoto da Igreja), seu livro texto de 71.000 palavras, ele afirma que a "Nova Reforma Apostólica" será tão revolucionária e pulverizadora na terra como foi a de Martinho Lutero.
Peter Wagner foi um discípulo do falecido John Wimber, fundador do Vineyard Church Movement (Movimento da Igreja Videira). Ambos ocuparam assentos no "Department of Church Grouth" (Departamento do Crescimento da Igreja), no Seminário Teológico Fuller. Após o falecimento de Wimber, Wagner mudou-se para Colorado Springs, onde formou o Global Harvest Ministries (Ministérios da Colheita Global) e tornou-se o apóstolo principal do International Council of Apostles, tendo criado a Apostle Round Table, pela qual é responsável. Ele engloba o "Movimento de Crescimento da Igreja", as Igrejas em Células, a Nova Reforma Apostólica e a Teologia do Domínio do "Reino, já!" Ele é muito prolífico e escreveu outro livro intitulado "Apostles of the City: How to Mobilize Territorial Apostles for City Transformation" (Apóstolos da Cidade: Como Mobilizar Apóstolos Territoriais para a Transformação da Cidade"), no qual ele descreve a organização dos apóstolos. Os apóstolos translocais ficam acima dos pastores, os quais são supervisores do povo, ficando responsáveis uns pelos outros, crescendo na hierarquia.
Wagner acredita que um líder apostólico visionário é necessário para supervisionar um mover de Deus. Ele e outros proponentes acreditam que os apóstolos e profetas conduzirão o Corpo de Cristo ao estabelecimento do Reino de Deus na terra. Vocês já ouviram isso? Eles dizem que os apóstolos vão conduzir a Igreja ao domínio da terra!
Vejam o que diz o livro intitulado "Moving in the Apostolic" (Movendo-se no Apostólico), de John Eckhardt, com prefácio de Peter Wagner. Ele adianta as seguintes premissas:
1. - À Igreja foi dada uma comissão.
2. - Essa comissão é apostólica.
3. - Essa comissão deve e será cumprida.
4. - Visto ser apostólica, ela receberá uma unção apostólica, a fim de ser cumprida. (p. 21).
Ele afirma que o Espírito Santo é um Espírito apostólico e somente uma "igreja apostólica" poderá cumprir a grande comissão (p. 24). Ele afirma que os apóstolos são oficiais da Igreja e que "um oficial é um executivo e os executivos têm autoridade para executar comissões" (p. 32). É uma afronta ao Corpo de Cristo, a verdadeira Igreja, dizer que a Grande Comissão só poderá ser cumprida pelos apóstolos!
Porém ainda tem mais! Ele acredita que os "Potentados são os maiores empecilhos ao avanço da igreja e devem ser tratados apostolicamente" (p. 60). Ele afirma que estes somente poderão ser destruídos através do ministério apostólico. Ele afirma que "embora cada crente tenha status para expulsar demônios, os apóstolos andam e ministram em status mais elevado. Os maus espíritos e os anjos reconhecem esse status. Os apóstolos são os comandantes espirituais da Igreja" (p. 63). Ele prossegue afirmando que somente o apóstolo tem autoridade para executar os propósitos e planos de Deus. "São estes os generais e comandantes militares que irão mobilizar o povo de Deus..." (p. 65).
Existe tanta coisa a mais escrita sobre isso que deixamos o restante da pesquisa a vocês. (Por favor, acessem o site... http://www.banner.org.uk/contents.html
Leiam também o capítulo 7 deste livro. O Movimento dos Apóstolos e Profetas está ligado ao reino dos "espíritos territoriais", mapeamento espiritual, igrejas em células, movimento do crescimento das igrejas, etc. Os participantes deste movimento lidam com o "Quem é Quem" no Cristianismo (exemplo: Peter Wagner (apóstolo principal), Dutch Sheets, Ted Haggard - new President of the NAE, John Kelly, Win and Charles Arn, David Yonggi Cho, Bill Hybels, Paul Crouch, Jack Hayford, Tim LaHaye, o falecido John Wimber, Juan Carlos Ortiz, C. Peter Wagner, Ern Baxter, Pat Robertson, Jerry Falwell, David Yonggi Cho, Robert Stearns, Mike Bickle, Reuven Doron, Che Ahn, Frank Hammond, Cindy Jacobs, Bill Hamon, John Eckhardt, Bobbie Byerly, Jim Goll, John Paul Jackson, James Ryle, Frank Damazio, Ed Silvoso, Carlos Annacondia, Claudio Freidzon, Roger Mitchell, Ted Haggart, Chuck Pierce, Rick Joyner, Kingsley Fletcher, Jim Laffoon, Barbara Wentroble, Robert Schuller, Paul Cain, Ralph Neighbor, etc.).
Existe uma hierarquia de apóstolos sobre várias cidades e pastores com um ancião superior sobre uma cidade particular. Talvez os evangélicos estejam aprendendo isso com a Igreja Católica Romana. Existe em sua agenda algo mais que uma simples organização. O objetivo é conquistar! As Igrejas Protestantes Liberais, tais como as Presbiterianas, Metodistas, etc., têm sido sempre "a" ou "pós" milenistas (significando que não esperam que Cristo venha reinar por 1.000 anos), mantendo a mesma posição da Igreja Católica Romana. Todos esses diversos ramos - desde a ICR até as Protestantes Liberais, as igrejas neopentecostais dos apóstolos e profetas e o Movimento dos Profetas - aliam-se no mesmo objetivo de tomar posse das instituições políticas e sociais.
Sabemos que a "mulher montada", de Apocalipse 17 (A igreja apóstata) cavalga a besta (o estado político) em sua sede de domínio mundial. Isso não é semelhante ao casamento entre o "direito religioso" e a presente administração para derrotar as forças do mal e trazer o capitalismo, a democracia e Cristo ao mundo?
Em vez de repetir isso, preferimos ir ao capítulo 17 deste livro para uma descrição da noção extra-bíblica entre os "profetas" - uma nova geração de pessoas que acreditam estar expressando hoje a "Palavra de Deus" com o mesmo poder e autoridade do próprio Deus (apesar do fato de que erram mais do que acertam). Mas, quem está vencendo? Eles prosseguem fazendo continuamente novas profecias, sem que ninguém lhes peça contas. E mesmo sem entrar no mérito da coisa, destacaríamos que se trata de uma estrutura altamente autoritária e hierárquica. E agora?
Na história antiga, a Igreja perdeu o rumo e adotou a maneira secular, com o seu clero, seus edifícios e tudo o mais. Contudo, não era assim no princípio. Nos tempos do Velho Testamento houve necessidade de líderes como Davi e Salomão, mas não no período do Novo Testamento. Todos nós somos "a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido..." Todos nós temos igual acesso a Deus através do nosso espírito humano. Estamos na videira, não numa árvore. Todo crente nascido de novo é enxertado na videira. Criar uma hierarquia neotestamentária é absurda tolice. Se é assim, devemos nos tornar novamente católicos romanos, no qual o laicato perdeu todo o contato com Deus (a videira), só podendo chegar até Ele através de um sacerdote.
Hoje em dia, a Igreja apóstata está usando o modelo secular ou militar. As descrições dos títulos, funções e empregos "eclesiásticos" provêm do mundo, não do Senhor. A Bíblia fala de dons e funções - sendo apóstolo aquele que é enviado a plantar igrejas. É o que ele faz, não o que ele é. Outros, pastoreiam, ensinam, supervisionam e profetizam. É o que eles fazem, não os ofícios que ocupam. Trata-se de um ponto de vista "funcional" em vez de "posicional". O homem não é o cabeça da Igreja, mas sim, Jesus. Existe apenas uma cabeça no corpo e todas as instruções são dadas por ela. Elas não fluem pelo corpo. Cada parte do corpo tem uma conexão direta com a cabeça. O mundo é que precisa de hierarquia e controle externo.
Jesus disse: "... Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; e, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos".
Jesus repetiu isso em Lucas 22:25-27: "... Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve. Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve".
O mundo gentílico opera na base de uma cadeia de comandos. A autoridade se embasa na posição e na hierarquia. Os líderes medem a sua grandeza pelo poder, influência e importância. No Reino de Deus, o maior é o menor e o menor é o maior. O líder é aquele que mais serve. A maneira de Deus é totalmente oposta à maneira do mundo. A maneira do Novo testamento é aquela em que uma pessoa é controlada pelo Espírito Santo que nela habita. Satanás e o mundo carecem de uma hierarquia, mas o Corpo de Cristo, não!
Mas o que dizer da autoridade religiosa? Não devemos respeitar e venerar os líderes religiosos?
Jesus disse: "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado" (Mateus 23:8-12).
No mundo judaico e no meio cristão apóstata existem líderes religiosos com os títulos de rabino, pastor, bispo, sacerdote, reverendo, padre, etc. Mas isso não deveria existir entre nós! Somos apenas irmãos e irmãs em Cristo, cada um com o seu dom, agindo dentro do corpo. Pode haver pastores, mestres, profetas, evangelistas e até mesmo apóstolos entre nós - mas isso pelo que fazem, não pelo que são. Um pastor é simplesmente alguém que pastoreia e cuida das pessoas. Um mestre ensina. Um apóstolo é enviado para plantar igrejas. Os anciãos supervisionam. Nenhum destes governa sobre o rebanho. Somos todos iguais, com diferentes funções. Não precisamos de comitês para fazer uma pesquisa nacional para um pastor. Devemos buscar os dons e os santos que há entre nós. Cada um de nós possui um dom e deve exercê-lo.
A Igreja primitiva não tinha uma pessoa que fosse o CEO de uma organização isenta de impostos, dirigindo um staff, pregando aos domingos e fazendo casamentos, funerais e serviços eucarísticos e aconselhamentos psicológicos. Tudo isso é extra-bíblico e foi copiado da Igreja Católica Romana. E agora que Peter Wagner está copiando essa modalidade, teremos uma hierarquia paralela à de Roma. Não existe esse imaginário tipo de liderança na Igreja. Essa é a exata organização de clero/laicato, a qual tem causado um efeito deficitário sobre os santos. Pois os próprios santos é que deveriam estar apascentando, supervisionando e ensinando, em lugar de alguns "profissionais" com elevada educação pós-gradual em crescimento da Igreja, em gerenciamento, organização, criação de programas, exegese da Palavra, chefia de cozinha, lavagem de pratos! Nunca existiu na Igreja do Novo Testamento qualquer igreja com um líder ancião, um dirigente de programação ou pastor chefe. A Igreja é constituída simplesmente de irmãos e irmãs em Cristo, reunindo-se para ministrar uns aos outros. A 1 Coríntios 12:28 não descreve qualquer hierarquia organizacional, quando diz: "E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores..." Ela descreve funções lógicas: aquele que funda uma igreja (apóstolo); o que compartilha visão (profeta); o que entrega o fundamento bíblico (mestre) e assim por diante. Ao descrever as características dos anciãos e diáconos, Paulo está falando das qualidades de uma pessoa funcionando nessa capacidade e não nas qualificações para tal ofício. Um irmão ou irmã funciona em um grupo por ter estado a par e ter sido refinado na obra pelo Espírito Santo. Outros reconheceram o seu dom, sua experiência e autoridade em determinados assuntos. Mas estes são dons e funções, não ofícios. Sua legitimidade é reconhecida pelos outros por causa da sua "serventia" e do seu fruto, não por ter sido eleita ou nomeada para um cargo. Um apóstolo prova o seu dom, quando funda igrejas; um evangelista, pelo seu ganho de almas para Cristo; um mestre, pelo ensino e um pastor pela capacidade de apascentar bem as ovelhas. Tudo isso se resume a funções e não a ofícios [ou títulos] concedidos. Ninguém precisa estudar anos a fio para aprender a ser alguma coisa [na igreja]. Deixemos que o Senhor opere em sua vida, para que possa tornar-se uma bênção dentro do Corpo.
Temos nos distanciado tanto da verdadeira Igreja, da vida simples do Corpo que eu duvido que possamos redescobri-la, a não ser através de uma boa dose de tribulação! Somente quando formos libertados dos nossos preconceitos, de nossas posses e de nossas preocupações, conscientizando-nos de que tudo isso está indo por água abaixo, é que iremos cair na realidade e descobrir o tesouro que está guardado no íntimo do menor dos santos, permitindo que ele seja livre! Somente quando nossas organizações, programas e profissões tiverem sido denunciados pela sua pretensão, é que o corpo ficará livre para se tornar o almejado Corpo de Cristo, no qual cada membro funciona conforme o Senhor tem agido em seu íntimo.
"Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, no qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele. Portanto, vos peço que não desfaleçais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória. Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome, Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior" (Efésios 3:11-16).
Nossa oração é para que, quando vocês meditem nestes versos, o Senhor lhes mostre o Seu Corpo e como este nada tem a ver com a instituição chamada "Igreja". Deus coloca uma variedade de pessoas em nosso meio. Ele opera em suas vidas e através delas para edificar outras vidas. Elas não precisam freqüentar uma escola bíblica nem um Seminário. Elas freqüentam a "escola das árduas tribulações", quando crescem e amadurecem no Senhor. Elas funcionam - não para criar um ofício, no qual irá receber um alto salário, mas para edificar os outros, a fim de que todo o Corpo fique entrelaçado e cada parte individual esteja trabalhando apropriadamente, permitindo que o amor e a vida do Senhor possam fluir através do Corpo, fazendo-o crescer e edificar-se em amor. Esses homens dotados não monopolizam todo o show, mas protegem os mais novos na fé e os encorajam a se conectar e a crescer até à maturidade. Eles não dominam. Eles facilitam e encorajam os outros a funcionar.
Atualmente, os cristãos se movem de um programa para o outro. Por isso é que as igrejas em células, as mega-igrejas, as meta-igrejas [com propósito?] os apóstolos e profetas e tudo o mais parecem tão atraentes aos cristãos de hoje. Desejamos algo mais, esperando que a próxima novidade seja mais "It". Vamos nos distanciando cada vez mais da principal intenção de Deus, conforme Efésios 3, uma corporativa expressão Dele mesmo sobre a terra - um organismo chamado "Igreja".
Vamos falar agora de uma das mais abusivas e mal usadas práticas do Cristianismo atual, a qual está crescendo muito no movimento de apóstolos e profetas - a subordinação.
Citamos acima os versos que são um contraste entre o conceito secular e o conceito divino de autoridade. No Velho Testamento e no mundo, a autoridade depende da posição. Vocês respeitam e obedecem à autoridade de outra pessoa porque ela exerce uma posição mais elevada do que a de vocês. Muitas igrejas de hoje gostariam de ter cada pessoa numa carta de organização, onde cada pessoa fica acima de alguém. No caso do movimento dos "apóstolos e profetas", um apóstolo estaria acima dos pastores de uma cidade, os quais presidem sobre as congregações, e o fluxo da autoridade iria diminuindo através do staff pastoral ou dos anciãos, diáconos, grupos de células, líderes, etc. E conforme vocês podem se lembrar das citações, no último capítulo de Juan Carlos Ortiz, cada pessoa deve ficar subordinada a alguém.
Existe uma forma bíblica de sujeição à autoridade, mas não dessa maneira. É uma atitude de mútua submissão, uma atitude voluntária em razão da liderança do Espírito Santo. Existe apenas uma "cabeça" e autoridade na igreja e essa é Jesus Cristo (João 17:2). Quando a Ele nos submetemos, Ele faz com que nos submetamos aos outros, numa sujeição mútua, não numa sujeição imposta pela posição de alguém. Ele é muito claro no verso acima e diz em Mateus 20:26: "Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal." A Bíblia não ensina que os crentes tenham autoridade uns sobre os outros. Esse tipo de autoridade é condenado na Igreja:
"E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve" (Lucas 22:25-26).
A autoridade divina não é conferida, herdada, ordenada ou expressa por homens, inclusive pelos auto-nomeados apóstolos. Ela é exercida por uma pessoa que esteja operando sob o Espírito Santo, não sendo uma autoridade intrínseca ou posicional. Ela não pode ser imposta sobre as pessoas. Ela é reconhecida e aceita por causa da obra do Espírito, no Corpo de Cristo. Ela procede da Cabeça e é reconhecida como desta procedendo, pois é conquistada, em vez de ser absolutista e posicional. A autoridade de Cristo flui através do cristão maduro e os outros reconhecem o mérito e dignidade dessa autoridade. A autoridade divina JAMAIS está numa hierarquia, nem se encontra num ofício ou posição. Sua fonte está no Espírito que em nós habita.
O tipo de subordinação em voga hoje em dia não é bíblico e não passa de uma desculpa para uma "pescaria rápida" nos mínimos detalhes da vida de uma pessoa, desde os assuntos sexuais até os financeiros, a fim de enquadrá-la às regras não escritas e outras coisas mais da "igreja", da célula ou do grupo de exigência [O mesmo que a ICR tem feitos há séculos, através da confissão auricular]. A não ser que haja uma razão muito séria para suspeitar, quando alguém está vivendo em pecado grave, ninguém deve se intrometer em sua vida particular:
"Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados" (Colossenses 2:16).
"Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?" (Tiago 4:11-12).
"E, além disto, aprendem também a andar ociosas de casa em casa; e não só ociosas, mas também paroleiras e curiosas, falando o que não convém" (1 Timóteo 5:13).
"Que nenhum de vós padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como o que se entremete em negócios alheios" (1 Pedro 4:15).
Fazer admoestação, sem ser intrometidos. Creiam-me, o movimento de apascentar e disciplinar, as igrejas em células, os Promise Keepers e os grupos de auto-ajuda, imitadores do tipo AA, praticam a intromissão na vida íntima, nas finanças, em cada aspecto da vida.
Devemos fluir vida de uns para os outros, não nos intrometendo nem controlando ou reajustando. Os cristãos realmente edificados e entrelaçados no Espírito automaticamente irão se abrir para compartilhar coisas, à medida em que o Espírito os aconselhe e dirija. Somos como uma família e não uma corporação ou exército. Somos um organismo e não uma organização! Uma família promove um ambiente de amor e de apoio, não de tirania ou de subordinação. Cada igreja ou assembléia local é como uma família. É independente, auto-governada, tendo Cristo como cabeça. Não existem hierarquias de igrejas nem apóstolos supervisionando uma cidade. Não existe a idéia de submeter-se a alguém para receber "cobertura".
Conclusão - O Objetivo Real dos Apóstolos e Profetas
Existe algo particularmente sedutor no movimento dos apóstolos e profetas. Ele soa "apropriadamente" como um auto-estabelecimento e tem o sabor e a ilusão de uma "igreja primitiva" verdadeiramente do Novo Testamento, como solução para a sandice e estulta natureza da tradicional Igreja institucional, especialmente quando combinada ao zelo da "Meta-Igreja" [com propósito?] pelo Evangelho ou ao modelo da "igreja em células", o qual promete a intimidade e a oportunidade de uma Igreja funcionando livremente no lar. Porém, no final, ela conduz a uma apostasia maior, a um informal sistema de lavagem cerebral, pressão e controle na freqüência, uma bem ungida hierarquia, a qual é militante e intimamente governada. As redes das meta-igrejas [com propósito?] igrejas em células, apóstolos e profetas estão todas interconectadas. Estes são os líderes do Cristianismo "apóstata"!
Lembraríamos a todos vocês que se estamos nos "últimos dias", haverá engano. O engodo será tão bom que a maioria das pessoas nada verá de errado com o mesmo e muitos o abraçarão. A falsidade será tão sagaz que exigirá uma clara visão espiritual para perceber a diferença! Mas o objetivo real dos apóstolos e profetas não é apenas o de se estabelecerem como líderes a seu próprio modo. É o de trazer o Reino de Deus à terra. É o domínio! Eles buscam um modo de exercer esse domínio através de uma aliança com o governo, o qual pareça compartilhar de sua agenda, com um país que pareça ter um "manifesto destino" e chamado divino para abençoar as nações da terra.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Tradições Anti-Bíblicas

Vamos ver aqui o processo gradual de paganização da Igreja Católica Romana, desde que ela começou a abandonar a simplicidade do Evangelho de Jesus, até o presente momento.

Paulo havia prevenido aos dirigentes da igreja de Cristo antes de sua morte:

"E agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o Reino de Deus, não vereis mais o meu rosto. Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpodo sangue de todos; porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus. Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. Porque eu sei isto: que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão o rebanho. E que dentre vós mesmos, se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós" (Atos 20.25-31).

Durante algumas décadas, a igreja não aceitou nenhuma doutrina antibíblica, e era sempre perseguida ferozmente pelos imperadores romanos. Mas, como o nosso adversário, o diabo, é astuto e sagaz, e anda em derredor, bramando como um leão, buscando a quem possa tragar (ele trabalha vinte e quatro horas por dia para fazer das suas), tempos depois, começou a introduzir "novidades" (e até hoje ele faz a mesma coisa nas igrejas evangélicas) através de lobos cruéis, vestidos com pele de ovelha. Tais novidades nada têm a ver com a Palavra de Deus, mas, com o passar do tempo, adotou um nome bonito e importante: tradição. Vamos resumir algumas delas:

- No ano 130, o bispo Sixto introduziu a Quaresma e o Jejum (40 dias de penitência);

- No ano 197, Zeferino, bispo de Roma, começa um movimento herético contra a divindade de Jesus;

- no ano 217, Calixto se torna bispo de Roma, pondo-se à frente da propaganda herética, e levando a igreja de Roma para mais longe da Bíblia;

- No ano 265, Gregório Taumaturgo sugere pela primeira vez que se substitua a festa das Saturnálias (homenagem a Saturno) e das Bacanais (em homenagem a Baco, o deus do vinho e dos bêbados), pelas festas em homenagem aos santos (mortos) da igreja;

- No ano 270, Santo Antonio, o Egípcio (não é o casamenteiro), adotou pela primeira vez o monasticismo (viver em lugares isolados, longe da família, dos amigos e da sociedade), contrariando o que diz a Bíblia (Prov 18.1). Daí, surgiu os padres;

- No ano 304, os bispos começam a serem chamados de Papa;

- No ano 310, iniciam-se as rezas pelos mortos;

- No ano 320, começam a usar velas nas igrejas;

- No ano 321, no dia sete de março, o imperador Constantino, aconselhado por Eusébio de Cesaréia, baixa um decreto impondo a obrigatoriedade de todos os cristãos guardarem o domingo como o dia do Senhor, "e não o sábado dos judeus";

- No ano 370, Basílio de Cesaréia e Gregório de Nanzianzo sugerem pela primeira vez a intercessão dos santos (mortos) junto a Deus, pelos pecadores. Primeiro indício do turíbulo (incensário), paramentos e altares nas igrejas, usos esses introduzidos pela influência dos pagãos "convertidos";

- No ano 373, Efraim Sírio, foi o primeiro indivíduo a adorar e pedir intercessão de Maria;

- No ano 378, o papa Dâmaso, considerado pelos estudiosos como o primeiro papa (o primeiro dos bispos de Roma a exercer o título de supremo pontífice da ordem babilônica depois dos doze Césares), criou a adoração a Maria (mariolatria);

- No ano 381, a Igreja Cristã recebe o nome de "Católica" através de um decreto do imperador romano Teodósio I, no Concílio de Constantinopla, enterrando definitivamente a Igreja dos Apóstolos. O documento chama-se "Cunctos Populos". Portanto, a Igreja Apostólica Apostólica Romana atual, é uma mistura de pseudo (falso) cristianismo com o paganismo puro.

- No ano 390, Nectásio, bispo de Constantinopla, institui a Confissão Auricular, a conhecida expressão dos padres: "Conte os seus pecados".

- No ano 394, o culto cristão é substituído pela Missa. O papa Sirício foi quem sugeriu a mudança e tentou proibir o casamento dos padres;

- No ano 400, o sinal da cruz é feito no ar;

- No ano 416, começam a batizar crianças e recém-nascidos, costume adotado pelo papa albanês Inocêncio I;

- No ano 431, o papa Celestino I institui o culto a Maria, mãe de Jesus;

- No ano 503, o Purgatório começa a existir, segundo o papa Símaco;

- No ano 528, o bispo de Roma Félix IV, institui o rito chamado "extrema-unção";

- No ano 550, o imperador Justiniano I, pediu a intercessão de Maria em favor de seu império;

- No ano 610, o papa Bonifácio III, substitui no "Panteon de Roma" (templo pagão dedicado a todos os deuses) as divindades do paganismo pelos chamados "santos" (mortos);

- No ano 754, o concílio de Roma ordena que se venerem as imagens de escultura;

- No ano 830, começam a usar ramos e água benta;

- No ano 831, um monge chamado Pascásio Radberto cria o dogma a Transubstanciação ( o pão de trigo se transforma na carne de Cristo e o vinho da uva se transforma no sangue de Jesus). E a Igreja romana acreditou nele até hoje.

- No ano 871, o sino é oficializado nas igrejas do Ocidente. Em Roma ele era usado desde o ano 604;

- No ano 1075, o papa Gregório VII ordenou a todos os bispos e padres, que abandonassem suas mulheres e filhos. Na época, os filhos dos religiosos estavam querendo herdar os bens do Vaticano. O papa viu que a riqueza ia ser dividida entre os legítimos herdeiros, e então resolveu criar o dogma celibatário (vida solteira para os padres);

- No ano 1130, Bernardo de Clarival afirmou que Maria falaceu no ano de 54 e foi sepultada no Vale de Josafá, e três dias depois os discípulos foram ao túmulo e não encontraram o corpo da bendita Virgem, fato que levou a Igreja Romana a concluir que a mãe do Salvador fora assunta aos céus (quer dizer, um dogma criado em cima de uma mentira escabrosa);

- No ano 1200, a hóstia substitui a Ceia do Senhor;

- No ano 1229, no Concílio de Toulosa, o papa Gregório IX proíbe a leitura a Bíblia pelo povo (tempos depois, na infernal Inquisição, quem tinha uma Bíblia era queimado na fogueira);

- No ano 1230, Domingos de Gusmão cria a reza do rosário (o conhecido e velho terço), costume já adotado pelos seguidores do profeta Maomé, se bem que as religiões mais antigas como o budismo e o hinduísmo já tinha esse velho costume há mais de mil anos antes de Cristo. Convém salientar que esse ardiloso Domingos de Gusmão, de origem espanhola, foi um inquisidor católico e feroz inimigo dos que seguiam apenas a Bíblia. Durante sete anos ele fez montanhas de cadáveres dos seguidores de Cristo, e a Igreja Católica, agradecida, cananizou-o como "santo";

- No ano 1439, finalmente a doutrina do Purgatório foi aprovada no Concílio de Florença;

- No ano 1549, no Concílio de Trento, a Igreja Romana decidiu acrescentar à Bíblia mais sete livros, chamados "deuterocanônicos", mais conhecidos como apócrifos (não são inspirados por Deus), pois contradizem todos os 66 livros originais e inspirados pelo Espírito Santo.


Obs.: Tudo isto acima (que é apenas um resumo) e muito mais, pode ser encontrado na Enciclopédia Católica em muitas bibliotecas do mundo, inclusive na Internet.

Amigo católico, não estamos aqui inventando coisas, nem delirando, e muito menos difamando a quem quer que seja. Uma leitura sincera da Bíblia mostra todos os erros que são cometidos e que são recebidos como tradição, contradizendo as verdades bíblicas.

Se você é de fato uma pessoa sincera, leia a Bíblia, peça a direção de Deus, e você vai conhecer a VERDADE, e essa verdade te libertará dos erros e superstições passadas de geração em geração. Não adianta dizer: "Eu nasci assim, e vou morrer assim".

Jesus tem um plano maravilhoso para a tua vida. A salvação é só Ele quem dá (Atos 4.12).

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Você Sabia Disso ?

Vejamos aqui alguns detalhes interessantes descobertos na Natureza. O elefante é o único animal cujas pernas dianteiras se dobram à frente. Por que? Porque de outra forma seria difícil para esse animal levantar-se, por causa de seu peso. Por que os cavalos, para se erguerem, usam as patas dianteiras, e as vacas, as traseiras? Quem é que orienta esses animais para que ajam dessa maneira? - DEUS.

Esse mesmo Deus que coloca um punhado de argila no coração da terra, e, através da ação do fogo transforma-a em formosa ametista de alto valor. Esse mesmo Deus que coloca certa quantidade de carvão nas entranhas do solo, e, mediante a combinação do fogo e a pressão dos montes e das rochas, transforma esse carvão em resplandecente diamante, que vai fulgurar na coroa dos reis ou no diadema dos poderosos.

Por que o canário nasce aos quatorze dias, a galinha aos vinte e um, os patos e gansos aos vinte e oito, o ganso silvestre aos trinta e cinco e os papagaios e avestruzes aos quarenta e dois dias? Por que a diferença entre um período e outro é sempre de sete dias?

Porque o DEUS Criador sabe como deve regular a natureza e jamais comete engano. Ele determinou que as ondas do mar se quebrem na praia à razão de vinte e seis por minuto, tanto na calma como na tormenta. Aquele que nos criou pode também nos dirigir. Somente Aquele que fez o cérebro e o coração pode guiá-los com êxito para um alvo útil.

A insondável sabedoria divina revela-se ainda nas coisas que poucos notam. Vejamos outros detalhes "curiosos". A melancia tem número par de franjas. A laranja possui número par de gomos. A espiga de milho tem número par de fileiras de grãos. O cacho de bananas tem, na última fila, número par de bananas, e cada fila de bananas tem uma a menos que a anterior. Desse modo, se uma fileira tem número par, a seguinte tem número ímpar. A ciência moderna descobriu que todos os grãos das espigas são em número par, e é admirável que o Senhor Jesus, ao se referir aos grãos, tenha mencionado exatamente números pares: 30, 60, e 100. Pela sua maravilhosa sabedoria e graça é assim que o Senhor determina à vida que cumpra os propósitos e os planos dEle. Somente a vida sob o cuidado divino está a salvo de contratempos.

Outro mistério que a ciência ainda não descobriu: Enormes árvores, pesando milhares de quilos, apoiadas em apenas pouco centímetros de raízes. Ninguém até agora conseguir descobrir esse princípio de sustentação a fim de aplicá-lo em edifícios e pontes.

Todos os cientistas que vivem não conseguem uma explicação a respeito dos mares. Por que eles não invadem toda a Terra? A Bíblia explica isso direitinho, mas eles querem uma "lógica".

Mas há maravilha ainda maior. O Deus Criador toma o oxigênio e o hidrogênio, ambos sem cheiro, sem sabor e sem cor, e os combina com o carvão, que é insolúvel, negro e sem gosto. O resultado, porém, é o alvo e doce açúcar.

Há milhões de outros detalhes ainda que nos deixam admirados e perplexos diante de tantas maravilhas deste Deus Criador maravilhoso, o problema aqui é o espaço. Mas ficamos mesmo embabascados mesmo é com a ingenuidade de tantas pessoas inteligentes e espertas que têm fé suficiente para acreditar em "Big Bangs" e teorias evolucionistas "sem pé nem cabeça".

O que descrevemos acima são apenas vislumbres de um Deus Criador sábio e amoroso. Esse mesmo Deus que realiza tais maravilhas no mundo que Ele criou, pode também efetuar em nós um milagre ainda muito maior. Ele pode dar-nos um NOVO NASCIMENTO, fazendo novas todas as coisas.

Sim, este Deus maravilhoso pode tomar nossa vida triste, inútil e insípida, e torná-la alegre, útil e plena de significado para a glória dEle.

Portanto, meu amigo, não se desespere. Não importa quão grave seja a sua condição física, moral ou espiritual. O Senhor Jesus, que “ontem e hoje é o mesmo, e o será eternamente”, só Ele Ele tem a última palavra. Voce pode experimentar um milagre. Tão somente creia nEle e coloque a sua vida nas mãos dEle. Todos os que vão a Ele jamais se decepcionam. Voce é precioso para Ele. Jamais se esqueça destas palavras: “Deus amou o mundo (as pessoas) de tal maneira que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16).

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A Apostasia Final



“Nunca vos conheci!” (Mateus 7:23)


Imagine que você está sentado no seu lugar favorito, na igreja, numa linda e ensolarada manhã de domingo. O prelúdio musical foi maravilhoso e os hinos cantados foram simplesmente edificantes. Então, você fica tão agradecido a Deus pela sua igreja que vai até o gazofilácio e ali deposita muito mais do que costumava fazer, antes desse dia. Sua alegria foi expressa em oferta e você volta ao banco, sentindo-se realizado!

Depois de uns trinta minutos de gozo espiritual, o pastor sobe ao púlpito, organiza cuidadosamente as anotações, sorri calidamente para a congregação e levanta a Bíblia, anunciando:

“Antes de começar este sermão, quero que todos saibam que eu cheguei à conclusão de que este livro é muito deprimente e obsoleto. Por isso, já não mais o usaremos em nossos cultos”.

Você, que sempre foi um santo bibliófilo, engole em seco, começa a sentir uma leve taquicardia e tenta se controlar. Aí, o pastor atira a Bíblia na cesta de papeis, com uma cara de nojo! Você tem vontade de sair correndo, mas clama a Deus Espírito que o segure no banco, para não se levantar e falar umas boas verdades contra esse falso pastor, o qual deveria estar plantando batatas, em vez de estar ali, faturando um bom salário, à custa dos crentes iludidos.

Mas, algo parecido já está acontecendo em algumas igrejas emergentes e propositadas, repletas de entretenimento mundano, nos dias de hoje, não em sentido literal, mas sub-repticiamente. Conforme a profecia bíblica, uma grande apostasia já está se aproximando da igreja do Senhor, nestes tempos do fim.

A apostasia final vai chegar antes da Grande Tribulação e da manifestação do “homem do pecado” - o Anticristo.

“Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição”. (2 Tes. 2.3).

Apostasia significa “afastamento da verdade” ou “afastamento da fé no que antes acreditávamos”. Apesar do seu enorme crescimento mundial, desde o primeiro século, o Cristianismo tem se inclinado à apostasia. Paulo nos adverte contra uma apostasia especial, a qual vai acontecer com um total afastamento da sã doutrina. Ela será o clímax de todas as tendências apóstatas já experimentadas, ao longo da história eclesiástica, a nível mundial. Vamos ler 1 Timóteo 4:1-2: “Mas Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência”.

À medida em que as consciências forem se petrificando e a verdade for rechaçada, as pessoas apelarão às doutrinas aparentemente verdadeiras, as quais, na realidade são falsas e perigosas. Paulo as chama “doutrinas de demônios”.

Será que já caímos nesse tipo de apostasia? Claro. Na maioria das igrejas modernas, as doutrinas bíblicas estão sendo substituídas por doutrinas emergentes, colocando a inclusão acima da verdade. As principais denominações protestantes não apenas estão negando que o homossexualismo seja um grave pecado, como estão realizando casamentos entre pessoas do mesmo sexo e até consagrando ministros gays. A Igreja Anglicana (no Canadá) está se dividindo por causa deste assunto e o mesmo tem acontecido aos metodistas e episcopais, nos Estados Unidos. Aqui no Brasil já temos pastores e pastoras gays.

Pior ainda é que os bispos episcopais fizeram uma votação sobre a divindade de Cristo. Além de ser um absurdo a igreja fazer uma votação desse tipo, o mais terrível é que alguns eleitores votaram negativamente.

As doutrinas novas e heréticas estão todas embasadas no chamado Evangelho Social e não na legítima Palavra de Deus. O bispo episcopal William Swing fundou a United Religions Initiative (URI), em meados dos anos 1990. Empunhando a bandeira em favor da união de todas as crenças religiosas, num “espírito de cooperação”, a URI coloca o Evangelho do Senhor Jesus Cristo no mesmo nível de todas as crenças religiosas. Assumindo, aparentemente, a crença de que “todos os caminhos levam a Deus”, a URI parece estar destinada a desempenhar um papel relevante no lançamento de uma religião mundial, conforme profetizado no Livro do Apocalipse.

O bispo aposentado John Schelb Song é outro ministro importante na condução do movimento da apostasia, no afastamento do Evangelho bíblico. Ele acredita que os avanços científicos dos últimos anos colocam a Bíblia na categoria de um “livro de fábulas”. Em seu discurso proferido na 24ª. Convenção da Diocese Episcopal de New Jersey, em 30/06/1998, Song falou: “Ora, a linguagem religiosa mítica de uma criação perfeita, de uma queda, de um pecado original e da necessidade de um Deus Salvador, tornou-se desnecessária e fora da percepção da realidade atual. Com a perda dessa moldura mítica, torna-se insignificante a apresentação de Jesus como um resgatador divino, bem como a história da cruz designada a pagar o preço do pecado. Tais conceitos se tornaram rapidamente sem sentido algum”. Aqui no Brasil temos o famoso Pr. Ricardo Godim que trouxe dos Estados Unidos as "boas novas" de que a volta de Jesus é apenas uma utopia.

E como se não bastasse, Song prosseguiu, em seu artigo intitulado “A Calil For a New Reformativo”, apresentado as 12 teses seguintes:

01. - O teísmo, em sua maneira de definir Deus, está morto. Então, a maior parte do assunto a respeito de Deus nada mais significa. Uma nova maneira de se definir Deus precisa ser encontrada.

02. - Visto como Deus já não pode ser concebido em termos teístas, não é mais necessário que Jesus seja compreendido como sendo a encarnação da Divindade e, portanto, a Cristologia chega à bancarrota.

03. - A estória bíblica de uma criação perfeita e completa, após a qual os seres humanos caíram em pecado, é uma mitologia pré-darwinista e já não tem sentido algum, no pós-darwinismo.

04. - O nascimento virginal, entendido biologicamente, é uma coisa impossível, tornando sem efeito a divindade de Cristo.

05. - As estórias de milagres do Novo Testamento já não podem ser interpretadas como eventos sobrenaturais, operados por uma divindade encarnada.

06. - A visão da cruz, como um sacrifício pelos pecados, é uma ideia bárbara, embasados em primitivos conceitos sobre Deus, e deve ser descartada.

07. - Jesus foi ressuscitado para ser apresentado como Deus. Mas, sua ressurreição não pode ser física, dentro da história humana.

08. - A história da Ascensão não pode ser traduzida conforme o conceito pós-Copérnico da era espacial.

09. - Não existe qualquer escrita externa objetiva, revelada na Escritura ou em bloco de pedra, que governe o nosso comportamento ético por todo o tempo.

10. - A oração não pode ser um pedido feito a uma divindade teísta, para agir, de um modo especial, na história humana.

11. - A esperança de uma vida após a morte deve ficar separada da mentalidade do controle do comportamento, como recompensa ou castigo. Assim, a igreja deve abandonar a pregação da culpa resultante do comportamento.

12. - Todos os seres humanos trazem a imagem de Deus e todos devem ser respeitados. Desse modo, nenhuma descrição externa, quer seja da raça, etnia, gênero ou orientação sexual pode ser apropriadamente usada, no sentido da rejeição ou da discriminação.

Conforme profetizado, os falsos profetas e falsos cristos, estão aparecendo em número cada vez maior. Eles pervertem o Evangelho de Cristo, substituindo-o por outro que usurpa as antigas verdades sobre o pecado, a redenção exclusivamente através do sacrifício de Cristo, pregando a salvação universal, com uma total neutralização da responsabilidade individual, sendo esta a mensagem que muitos “ouvidos com coceiras” gostam de escutar. Em vez do homem ser inerentemente pecador, ele passa a ser inerentemente bom e, se não existe condenação, também não existe uma salvação divina.

O homem tem conseguido plantar a morte de Deus na consciência, substituindo a Sua Maravilhosa Graça pela autoconfiança. Hoje, a igreja está colhendo o resultado dessa apostasia. Muitas denominações principais já perderam a fé, passando a confiar na sabedoria humana. A igreja está dando menos atenção à comunhão e à verdade bíblica e mais à religiosidade, numa religião tépida, confeitada, que nada exige do pecador (exceto que ele “se alegre no Senhor!”, cantando e dançando nos cultos festeiros).

Nos capítulos 2 e 3 do Livro do Apocalipse, Jesus ordena que João escreva às sete igrejas, as quais têm existido, em sentido literal, no tempo decorrido entre a crucificação e Sua Segunda Vinda. Se esta interpretação for verdadeira, a igreja de hoje está representando a igreja de Laodiceia, à qual Jesus dirigiu estas palavras:

“E ao anjo da igreja que está em Laodiceia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”.

Estas mesmas palavras de Jesus podem ser aplicadas à igreja moderna. Sua fé se tornou estagnada, com o conforto aos frequentadores (sua principal característica) superando a pregação da Palavra de Deus, através de cânticos modernos (recheados de heresias) e exibição de status.

A Arqueologia tem revelado muitos fatos sobre a antiga Laodiceia e as áreas adjacentes. Laodiceia era um centro comercial e sua igreja era muito rica, ao contrário da igreja de Éfeso. Laodiceia nada fez em prol da fé cristã, além de existir, e muitas igrejas modernas compartilham da síndrome de Laodiceia, escutando o canto da sereia do falso evangelho, para, em seguida, colher a apostasia.

O Diabo é muito astuto. Ele ataca a igreja de Cristo a partir de dentro, enfraquecendo a verdade bíblica. Ele tem semeado o joio no meio do trigo (Mateus 13:25). O bispo Spong chama isto de “Uma Nova Reforma”, porém nós a chamamos APOSTASIA.

Você, meu irmão, já observou a síndrome de Laodiceia em sua igreja? Já conversou com o pastor, com a liderança e com a congregação sobre este assunto? Não podemos nos dar ao luxo de permanecer em “stand bi”, permitindo que o evangelho social substitua o legítimo evangelho de Cristo, Que nos adverte: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade”.

Não devemos permitir tal coisa, quando estamos instruídos a respeito do perigo da apostasia que se aproxima. Vamos ler o que Judas nos entrega, nos versos 3-4 do seu minúsculo (mas poderoso) livro: “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo” (Judas 3-4).

Na 2 Timóteo 4:2, Paulo também advertiu Timóteo: “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina”.

Precisamos “batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”, mesmo sabendo que isto envolve alguns riscos. Seremos taxados de “fundamentalistas”, “intolerantes”, “divisores” e outros epítetos... Contudo, vamos correr este risco, pois somos soldados de Cristo. Isso, para não termos de encarar estas palavras dele, no Dia do Julgamento: “Nunca vos conheci”.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Vivendo Sobrenaturalmente



A Palavra de Deus nos ensina que as coisas que os olhos não viram e que os ouvidos não ouviram, são as que Deus preparou para nós (1Co. 2.9). O propósito de Deus é um mistério. Por isso, citaremos duas mulheres de caráter simples, que geraram os sonhos de Deus e os tornaram em realidade. São elas: Ana, mãe de Samuel e Isabel, mãe de João Batista.

Houve um tempo em Israel que não havia um rei que os liderasse. O povo fazia o que queria, o que parecia reto aos seus próprios olhos (Jz. 21.25). No entanto, nesse mesmo tempo, houve uma mulher chamada Ana, que tinha em seu coração o desejo de ter um filho, porém esta era estéril.

Diariamente Ana sofria afrontas. Havia barreiras que ela precisava ultrapassar para que o sonho de Deus se cumprisse em sua vida. No capítulo 1 do livro de Samuel, é relatado que Ana deparou-se com o desencorajamento (v.6); seu marido tentava se colocar como algo melhor do que o propósito que estava no coração dela (v.8). Ana foi mal interpretada (v.9-10) e, ainda, existiam os fatos naturais (v.5).

Enquanto o sonho de Ana era o de gerar um filho, o propósito de Deus era levantar um rei para o povo de Israel. Deus fez o sobrenatural: fez com que Ana gerasse a Samuel e, através desse filho, tornou a Samuel um dos grandes homens da Bíblia, um homem que ungiu os dois maiores reis de Israel posteriormente, Saul e Davi.

Do “outro lado” da Bíblia vemos Isabel. Uma mulher justa, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor, assim como seu marido Zacarias. Porém, ela também era estéril e avançada em idade (Lc. 1.6-7).

Isabel e Zacarias também queriam ser pais. Pense bem: se hoje é difícil uma estéril ter filhos, quanto mais se ela fosse também “avançada” em idade. Imagine como deveria ser essa realidade para Isabel, ainda mais na época de Jesus, quando a medicina não era avançada. No entanto, Zacarias orou e a oração dele foi ouvida (Lc. 1.13). Isabel encontrou graça aos olhos de Deus e concebeu a João Batista, o profeta do Altíssimo, a preparar seus caminhos (v.76).

João Batista e Samuel foram os propósitos de Deus realizados em suas respectivas gerações. Pela vida de Samuel, Davi e Saul foram ungidos. Pelos caminhos preparados por João Batista, veio Jesus. Ana e Isabel foram as grandes mulheres da Bíblia. Com elas podemos aprender a não olhar os fatos naturais que podem abalar a nossa fé. Essas mulheres souberam olhar o que estava além, o sobrenatural de Deus.

Já chegou a hora dos planos de Deus se realizarem em nossa vida. O Senhor é Deus das grandes realizações, das grandes provisões e não apenas de fatos naturais. Os fatos naturais são aqueles que nossas mentes podem entender, onde nossas mãos podem alcançar, pois somos seres limitados. Se você e eu olharmos sempre para esses fatos, para que, então, precisamos de Deus?

Viver o sobrenatural de Deus, também não é só pensar em realizar. É necessário crer, seja em qual dificuldade for.

Assim como fez Ana e Isabel, persevere. Olhe, pelos olhos da fé, o que está além daquilo que você vê. Você tem um trabalho de Deus a desempenhar, por isso, não tenha medo das circunstâncias, das limitações. Nada pode parar você, pois o Senhor Jesus disse que as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja.

Dessa forma, veremos os propósitos acontecerem em nossa vida e, como recompensa, veremos também pessoas sendo convertidas todos os dias, por intermédio daquilo que acontece em nossas vidas.

Agora, se levante e ore a Deus. Dessa forma você passará por todas as barreiras para viver o sobrenatural de Deus.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Vamos Acordar !



Você sabe o que significa a palavra “acordar”?


Vamos separar em sílabas a palavra acordar?

A-COR-DAR


Viu? Significa dar a cor, colocar o coração em tudo que faz.

Existem pessoas que acordam às 6:h00 da tarde. É isso mesmo! Pela manhã caem da cama, são jogadas da cama, mas passam o dia todo dormindo. E existem alguns, acredite, que passam a vida toda e não conseguem acordar.

Conhecemos certo amigo que acordou aos 54 anos de idade. Ele disse:

Descobri que estou na profissão errada!

E ele já estava se aposentando... Imagine o trauma que esse amigo criou para si, para os colegas de trabalho, para a sua família! Foi infeliz durante toda a sua vida profissional porque simplesmente não "acordou".

Compreendemos bem o que ele estava nos ensinando naquele momento: por mais cinzento que possa estar sendo o dia de hoje, ele tem exatamente a cor que damos a ele. Sabe por quê? Porque a vida tem a cor que "a gente pinta"!

O engraçado é que os dias são todos exclusivos. Cada dia é um novo dia, ninguém o viveu. Ele está ali, esperando que eu e você façamos com que ele seja o melhor da nossa vida. Os meus dias são os mais lindos da face da terra porque eu os faço os mais lindos da face da terra. Dê a você a oportunidade de “a-cor-dar” todos os dias e compartilhar com os outros o que Deus nos dá de melhor:

"O privilégio de fazer os outros felizes..."

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Sucesso



Uma pessoa que está numa situação financeiramente confortável, muitas vezes se sente invulnerável, segura e no controle, sem sentir necessidade de Deus ou de qualquer outra pessoa. Essa espécie de atitude desafia a Deus, e seu castigo contra ela é bastante severo. Nós fomos advertidos a evitar os pecados da Babilônia. Se você se sente financeiramente seguro, não se torne complacente e iludido pelo mito da auto-suficiência. Use seus recursos para ajudar os outros e progredir no Reino de Deus.


NÃO COMPARE O SEU SUCESSO COM O DOS OUTROS

Às vezes, é difícil estar feliz quando outras pessoas estão vivendo bem melhor do que nós. Comparar o nosso sucesso com o das outras pessoas é uma forma perigosa de julgar a qualidade da nossa vida. Podemos assim dar espaço à inveja. Para evitá-la, temos de nos alegrar com o sucesso de outros.

O QUE É O VERDADEIRO SUCESSO

Muitas pessoas pensam que a prosperidade e o sucesso são decorrentes do poder, de contratos pessoais influentes e um desejo inexorável de progredir. Mas a estratégia para a prosperidade ensinada por Deus é contrária a tais critérios. Ele disse a Josué que para ser bem sucedido, ele deveria ser forte e corajoso porque a tarefa seguinte não seria fácil; obedecer à lei de Deus; e ler e estudar constantemente o livro da Lei - a Palavra de Deus (Josué 1.6-8). Para ser bem sucedido, devemos seguir as palavras de Deus a Josué. Podemos não ter sucesso de acordo com os padrões do mundo, mas será uma bênção aos olhos de Deus - e a sua opinião dura para sempre.

"...e tudo quanto fizer prosperará" (Salmo 1.3). Isso não significa que o justo será imune ao fracasso ou às dificuldades. Também não se trata de uma garantia de saúde, riqueza e felicidade. Significa que, quando aplicamos a sabedoria de Deus à nossa vida, produziremos o melhor e teremos a aprovação de Deus. Da mesma maneira que uma árvore absorve a água e os sais minerais e produz frutos deliciosos, nós também devemos absorver a Palavra de Deus, a fim de termos atitudes que honrem a Deus. Para alcançarmos algo que valha a pena, devemos ter a Palavra de Deus em nosso coração.

Aos olhos do mundo, o profeta Jeremias parecia totalmente fracassado. Não tinha dinheiro, família ou amigos. Ele profetizou a destruição da nação israelense, da capital e do Templo, mas os líderes políticos e religiosos não aceitariam e nem seguiriam os seus conselhos. Nenhum grupo de pessoas gostou de Jeremias nem lhe deu ouvidos. Contudo, ao olharmos para trás, vemos que completou com sucesso a obra que Deus lhe confiou. O sucesso nunca deve ser medido pela popularidade, fama ou fortuna, pois estas são coisas temporais. Deus mede nosso sucesso pela obediência, fidelidade e retidão. Se você estiver realizando fielmente a obra que Deus lhe confiou, será bem sucedido aos olhos dEle.

O mundo define um bom negócio pela capacidade de dar aos clientes o que estes desejam.O profeta Ezequiel, porém, foi chamado para transmitir a mensagem de Deus às pessoas, quer estas ouvissem, quer não (Ezequiel 2.3-5). A medida do sucesso de Ezequiel não se baseou na resposta das pessoas, mas no modo como o profeta obedeceu a Deus e cumpriu o propósito que Ele havia traçado para a sua vida. A verdade de Deus não depende de como as pessoas respondem às nossas atitudes. O Senhor não nos julgará pelo modo como os outros responderam a nossa fé, e sim por nossa fidelidade. Deus sempre nos dará forças para realizarmos aquilo que Ele nos pede para fazer.

SUCESSO NEM SEMPRE INDICA A APROVAÇÃO DE DEUS

Hoje em dia, muitas pessoas justificam seus erros através do sucesso exterior. Elas pensam que a riqueza, popularidade ou a falta de sofrimento é um sinal da bênção divina. Mas muitas histórias na Bíblia indicam que o sucesso maligno e os bens terrenos podem andar de mãos dadas. O sucesso não significa a aprovação de Deus. Não permita que o sucesso pessoal se transforme em unidade de medida quanto a estar ou não agradando a Deus.

DISCÍPULOS DE JESUS PREOCUPADOS COM O SUCESSO

Não é errado que os crentes sejam diligentes, e esperem alcançar objetivos materiais. Mas quando as nossas aspirações nos afastam da obediência e do serviço de Deus, tornam-se um pecado. O orgulho e a insegurança podem nos fazer supervalorizar o prestígio e a posição. No Reino de Deus, tais motivos são destrutivos. A única aspiração segura é aquela que visa engrandecer diretamente o Reino de Cristo, e não a que visa apenas ao nosso progresso.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Tsunami e o Alerta Espiritual



"... Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?" (Salmos 42:1-2)


Há pouco tempo, a humanidade presenciou perplexa uma das maiores fúrias da natureza que, em minutos, ceifou milhares de vidas humanas. Na ilha de Sumatra, na Indonésia, um terremoto seguido de maremoto, fez surgir na costa asiática ondas gigantes, conhecidas como tsunami. O monstro impiedoso e insensível, que não cogitou a idade, o sexo, a nacionalidade, a posição social e os projetos de vida de suas vítimas, agiu de forma cruel. Sem aviso. E mais recentemente, no Japão, aconteceu o mesmo.

Há muito a falar sobre o assunto. Ressaltaremos, entretanto, apenas dois fatos que nos chamaram a atenção sobre o o tsunami na Indonésia. Primeiro, por não haver um sistema de alerta adequado, como, por exemplo, sismógrafos, que pudesse ter alertado as pessoas a saírem do raio de ação do tsunami, milhares morreram sem chances de reação. Segundo os que perceberam o inexplicável desespero de elefantes, que instintivamente fugiam para os lugares mais altos e distantes das praias, ganharam, como recompensa, suas próprias vidas. Queremos ponderar sobre esses dois fatos e extrair algumas lições.

Os homens julgam não ser lucrativo investir em países pobres, implantando neles tecnologia que produza informações que ajudem as pessoas a se anteciparem às catástrofes como a que vimos. Deus, entretanto, por amar a humanidade e considerá-la preciosa para Si, já estabeleceu Seu próprio sistema de aviso.

O propósito para o qual o homem foi criado e os detalhes dos fatos que antecederão a segunda vinda de Cristo, já nos foram plenamente antecipados. Ele quer preencher o homem com Sua própria vida e pretende voltar para estabelecer Seu reino. Sua vinda está muito próxima. Para alguns, ela será fonte de grande regozijo, mas para outros, será como um tsunami sem precedentes.

Felizmente, Deus tem espalhado "sismógrafos espirituais" em todos os lugares e em todas as épocas. Na verdade, depois da criação, Ele nunca deixou de compartilhar com o homem os detalhes de Seus projetos (Am 3:7).

O próprio Senhor Jesus, ao ser questionado dos acontecimentos que antecederiam Sua volta, afirmou que ela não viria sem que primeiro viessem impostores afirmando ser Cristo e ocorressem guerras e rumores de guerras, lutas entre as nações, fome, terremotos, a morte de discípulos, o esfriamento do amor de quase todos e a pregação do evangelho do reino em todo o mundo (Mateus 24:3-14).

De fato, as nações se organizam para o surgimento do anticristo, a moral do homem se degrada diariamente, a natureza se enfurece em catástrofes, os homens se odeiam cada vez mais, e Deus é banido das vidas daqueles que Ele criou. Esses são sinais tão claros que é impossível negar que já não os vimos. O que você agora está lendo, não é um mero artigo cristão, mas um seguro "sismógrafo" a indicar a proximidade do fim.

Se os sinais externos já nos são convincentes, que diremos do alerta de Deus a pulsar em nosso interior? Como os elefantes da Indonésia, que ouviram a voz de seus instintos, estamos também a todo tempo, ouvindo a voz silenciosa de Deus em nosso interior. Esse falar faz-nos sentir que nossa vida, apesar de repleta de atividades, não possui satisfação e descanso.

Embora sejamos úteis às pessoas, ainda nos achamos tão imprestáveis. Estudamos, trabalhamos, realizamos algo e, no fim, parece que nada fizemos. Nos momentos em que nos aquietamos, a vontade que temos é de chorar, pois não sabemos explicar a dor interior que sentimos. Que inquietação é esta em nosso interior? A resposta é simples: Deus está reclamando Seu legítimo lugar no mais profundo de nosso ser. Possuímos uma sede que só Ele pode saciar (Salmos 42:1,2).

Você está atento aos fatos que informam a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo? Tem sentido carência de vida em seu interior? Qual tem sido sua reação diante dos sinais exteriores e interiores que Deus já lhe concedeu?

Sugerimos a leitura dos textos bíblicos a seguir: Lucas 13:1-5; Mateus 24:3-14,27,28,32-44; 1Coríntios 15:15-22; 1Ts 5:1-3; 2Ts 2:1-12; 2Timóteo 3:1-9.

Que Deus nos abençoe a todos, neste tempo, enquanto há tempo.

REFLEXÃO: "Buscai ao SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto" (Isaías 55:6)

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Últimas Palavras de Grandes Homens



Praticamente nada é mais esclarecedor do que o testemunho de moribundos. Mesmo mentirosos confessam então a verdade. Um olhar para o leito de morte revela muitas vezes mais do que todas as grandes palavras e obras em tempo de vida. No momento em que pessoas se vêem confrontadas com a morte, muitas perdem suas máscaras e tornam-se verdadeiras. Muitos tiveram que reconhecer que edificaram sobre a areia, se entregaram a uma ilusão e seguiram a uma grande mentira. Aldous Huxley escreve no prefácio do seu livro “Admirável Mundo Novo”, que se deveria avaliar todas as coisas como se estivessem sendo vistas do leito de morte. “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio” (Sl 90.12), diz o salmista na Bíblia.


VOLTAIRE, o famoso zombador, teve um fim terrível. Sua enfermeira disse: “Por todo o dinheiro da Europa, não quero mais ver um incrédulo morrer!” Durante toda a noite ele gritou por perdão.

DAVID HUME, o ateu, gritou: “Estou nas chamas!” Seu desespero foi uma cena terrível.

HEINRICH HEINE, o grande zombador, arrependeu-se posteriormente. Ao final da sua vida, ele ainda escreveu a poesia: “Destruída está a velha lira, na rocha que se chama Cristo! A lira que para a má comemoração, era movimentada pelo inimigo mau. A lira que soava para a rebelião, que cantava dúvidas, zombarias e apostasias. Senhor, Senhor, eu me ajoelho, perdoa, perdoa minhas canções!”

De NAPOLEÃO escreveu seu médico particular: “O imperador morre solitário e abandonado. Sua luta de morte é terrível.”

CESARE BORGIA, um estadista: “Tomei providências para tudo no decorrer de minha vida, somente não para a morte e agora tenho que morrer completamente despreparado.”

TALLEYRAND: “Sofro os tormentos dos perdidos.”

CARLOS IX (França): “Estou perdido, reconheço-o claramente.”

MAZARINO: “Alma, que será de ti?”

HOBBES, um filósofo inglês: “Estou diante de um terrível salto nas trevas.”

SIR THOMAS SCOTT, o antigo presidente da Câmara Alta inglesa: “Até este momento, pensei que não havia nem Deus, nem inferno. Agora sei e sinto que ambos existem e estou entregue à destruição pelo justo juízo do Todo-Poderoso.”

GOETHE: “Mais luz!”

NIETZSCHE: “Se realmente existe um Deus vivo, sou o mais miserável dos homens.”

LÊNIN morreu em confusão mental. Ele pediu pelo perdão dos seus pecados a mesas e cadeiras. À nossa juventude revolucionária se assegura insistentemente e em alta voz, que isso não é verdade. Pois seria desagradável, ter que admitir que o ídolo de milhões se derrubou a si mesmo de maneira tão evidente.

SINOWYEW, o presidente da Internacional Comunista, que foi fuzilado por Stálin: “Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é o único Deus.”

CHURCHILL: “Que tolo fui!”

YAGODA, chefe da polícia secreta russa: “Deve existir um Deus. Ele me castiga pelos meus pecados.”

YAROSLAWSKI, presidente do movimento internacional dos ateus: “Por favor, queimem todos os meus livros. Vejam o Santo! Ele já espera por mim, Ele está aqui.”

JESUS CRISTO: “Está consumado!”

Voltaire, David Hume e outros, certamente teriam rido ou zombado, se em tempo de vida se explicasse a eles, que sem Jesus Cristo estariam eternamente perdidos. Apesar disso, eles tiveram que reconhecer que isso é verdade e que a Bíblia tem razão ao dizer: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, o juízo” (Hb 9.27). Como você morrerá? Será muito tarde também para você? Quais serão suas últimas palavras?

Prezado leitor, temos que dizer-lhe, quer queira aceitá-lo ou não: Sem Jesus e sem o perdão dos pecados através do Seu sangue, você está perdido. Diante do Deus Santo, você está absoluta, total e eternamente perdido. Se você acha que com a morte tudo acaba, pertence às pessoas mais enganadas. Existe somente um que pode salvá-lo: JESUS CRISTO. Você acha realmente, que os homens acima citados representaram uma comédia piedosa quando chegou o fim? Sem ter paz com Deus, a morte é uma terrível realidade, da qual o mundo foge. Não se gostaria de ouvir nada a respeito, ela é afastada dos pensamentos. Mas será que a política da avestruz é uma solução inteligente?

Você quer saber? — Se vier com seu coração a Jesus Cristo e realmente quiser paz com Deus, você pode dizer esta oração: “Senhor Jesus, por favor, perdoa toda a minha culpa e meus pecados, minha rebelião e minha vida própria. Agradeço-te porque morreste por mim e pagaste com teu sangue o preço pelos meus pecados. Por favor, entra agora em minha vida. Abro-te a porta do meu coração e te peço que a partir de agora sejas meu Senhor. Agradeço, porque me ouves e aceitas.” O que importa não é a formulação, mas a atitude do coração.

Jesus diz: “o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (Jo 6.37). Unicamente Jesus tirou o poder da morte.

Você pode agora passar por cima disso, seguro de si e com um sorriso, afastando dos seus pensamentos o que acabou de ler. Mas, mesmo assim, você não poderá fugir da morte. E então? “Dá-me a conhecer, Senhor, o meu fim, e qual a soma dos meus dias, para que eu reconheça a minha fragilidade. Deste aos meus dias o comprimento de alguns palmos; à tua presença o prazo da minha vida é nada. Na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é pura vaidade” (Sl 39.4-5). Por isso, o profeta Amós diz: “prepara-te..., para te encontrares com o teu Deus” (Amós 4.12).

Alexander Seibel - http://www.chamada.com.br