BLOG DO ADAIL

Conhecer a Deus é fundamento eterno de bem-aventurança - glória eterna. Não o conhecer é eterna perdição. Deste modo, o conhecimento de Deus é tudo: vivifica a alma, purifica o coração, tranquiliza a consciência, eleva as afeições, e santifica o caráter e a conduta. - Irmão Adail

"Ah, se pudéssemos ter mais fé num Salvador amoroso e vivo, e se pudéssemos abrir nossos corações o suficiente para receber mais do seu amor eterno, consumidor, constrangedor, penetrante; ah, se abríssemos nosos ouvidos para ouvir a doce voz do Noivo quando Ele sussura para nossas almas: "Levanta-te, meu amor, minha querida, venha, deixa as ilusões deste dia transitório. Ah, se sua voz arrebatadora pudesse alcançar nossos corações endurecidos para que tivéssemos sede e clamássemos por um relacionamento mais íntimo com o Salvador crucificado". - Pr. John Harper, que afundou com o TITANIC em 15.04.1912.

ATENÇÃO: O assento do escarnecedor pode ser muito elevado socialmente, todavia fica muito perto da porta do inferno, e logo ficará vazio.

"...prepara-te para te encontrares com o teu Deus" (Am 4.12). Como os crentes em Jesus podem viver com as malas prontas e prontos para partir? Não há mistério a este respeito; o bom senso nos deve indicar como fazê-lo. Estejamos inteiramente dedicados ao serviço de Cristo, todos os dias. Não vamos tocar no pecado com vara curta. Acertemos as contas com Deus. Vamos pensar em cada hora como uma dádiva de Deus para nós, para tirar dela o melhor proveito. Planejemos nossa vida, levando em conta setenta anos (Sl 90.10), entendendo que se o nosso tempo for menor do que esse prazo, isso não será uma privação injusta, mas uma promoção mais rápida. Vivamos no tempo presente; gozemos com alegria dos seus prazeres e abramos caminhos através de suas dores, contando com a companhia de Deus, sabendo que tanto os prazeres quanto as dores são passos na viagem para casa. Abramos toda a nossa vida para o Senhor e gastemos tempo conscientemente na companhia dEle, expondo-nos e correspondendo ao seu amor. Digamos a nós mesmos, com frequência, que a cada dia estamos mais perto. Lembremo-nos que o homem é imortal enquanto o seu trabalho não for realizado, e continuemos a realizar aquilo que sabemos ser a tarefa que Deus nos determinou para aqui e agora. Amém? - Irmão Adail

Uma única bomba devasta uma cidade, e o mundo está na era nuclear. Com a cisão de um átomo, temos um poder e uma força nunca vistos. Foguetes roncam no seu local de lançamento, e sua carga é despejada no espaço. Descobertas apenas imaginadas durante séculos são agora concretizadas à medida que começamos a explorar os confins do universo.

Vulcões, terremotos, maremotos, furacões e tufões deixam desprender sua força incontrolável e inexorável. Resta-nos procurar abrigo para mais tarde reunir aquilo que sobrou.

Poder, força, energia - observamos com admiração a exibição da natureza ou a obra do homem. Mas essas forças não se aproximam do poder de Deus onipotente. Criador de galáxias, átomos e leis naturais, o soberano Senhor reina sobre tudo o que existe e sempre será assim. Que tolice viver sem Ele, que estupidez correr e esconder-se de sua presença, e quão ridículo é desobedecer-lhe. Mas nós o fazemos. Desde o Éden estamos sempre à procura de sermos independentes de seu controle como se fôssemos deuses com o poder de controlar nosso próprio destino. E Ele tem permitido nossa rebelião. Mas, muito em breve, chegará o
DIA DO SENHOR.


segunda-feira, 16 de abril de 2012

Bênçãos Para Quem Abençoa Israel




Embora seja pouco conhecido pela Igreja, existe um princípio divino que se inicia em Gênesis e prossegue por toda a Escritura: Deus abençoa os gentios através do povo judeu. Quem não sabe disso, não conhece direito a Bíblia
.
Deus disse a Abraão: "Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amladiçoarem" (Gênesis 12.1-3).
 
A política de Deus em relação ao anti-semitismo está clara nestes versículos. Ele prometeu derramar suas bênçãos sobre aqueles que abençoarem o povo judeu e Israel; e prometeu amaldiçoar aqueles que são anti-semítas.
O princípio de que Deus abençoa os gentios através do povo judeu é demonstrado na história de Jacó e Labão, nos capítulos 29 - 31 de Gênesis. Jacó concordou em trabalhar sete anos para Labão para conseguir a mão da bela Raquel em casamento. Labão enganou Jacó e deu a ele sua filha Lia em casamento. Jacó foi forçado a trabalhar mais sete anos para poder se casar com Raquel.
Labão também mudou o salário de Jacó dez vezes e começou a olhar de modo desfavorável para Jacó e assim este resolveu partir com Lia, Raquel e todas as suas posses. Ao ouvir isso, Labão correu atrás de Jacó, pedindo-lhe que ficasse. Jacó disse: "Você mudou meu salário dez vezes, sendo cada vez para me ferir mais, além de ter me enganado, dando-me sua outra filha como esposa".

Labão, o empregador gentio, disse: "Ache eu mercê diante de ti; fica comigo. Tenho experimentado que o Senhor me abençoou por amor de ti" (Gênesis 30.27). Labão foi um dos primeiros a reconhecer que Deus abençoa os gentios através do povo judeu.
Uma segunda ilustração desse princípio é a de José, um jovem judeu que foi vendido à terra do Egito por seus irmãos ciumentos, mas que se tornou primeiro-ministro daquela nação. Ele anteviu sete anos de fartura e sete anos de fome. Nos sete anos de fartura, construiu grandes armazéns e estocou grãos para os sete anos de fome. Quando os anos de necessidade chegaram, o Egito, sob a liderança de José, tornou-se alvo da inveja do mundo. O mundo gentio foi poupado da fome por causa de um escravo judeu que se tornou primeiro-ministro.

O Senhor Jesus também apoiou o princípio de que Deus abençoa os gentios através do povo judeu ao dizer: "A salvação vem dos judeus" (João 4.22). Foi o povo judeu que transmitiu aos gentios a Palavra de Deus, os patriarcas, os profetas, Jesus e os apóstolos. Remover do cristianismo a contribuição dos judeus é acabar com o cristianismo.

Durante a revolução Americana, George Washington e o exército Continental estavam famintos e com frio na neve do vale Forge. Hyam Solomon, um banqueiro judeu da Filadélfia conseguiu que os judeus dos Estados Unidos e Europa fizessem uma contribuição de milhões de dólares a George Washington. Essa oferta mudou o rumo da guerra, e o general Washington derrotou os britânicos. Washington ficou tão grato pela contribuição dos judeus para o nascimento dos Estados Unidos, que instruiu aqueles que estavam desenhando a nota de um dólar para que gravassem um tributo ao povo judeu sobre a cabeça da águia americana: a estrela de Davi, cercada pelo brilho da glória Shekinah, a glória de Deus.
Lemos no capítulo sete de Lucas que um certo centurião, ouvindo sobre Jesus Cristo, o Rabi que curava, queria que ele fosse a sua casa a fim de orar por um servo doente. . Era proibido aos judeus justos entrar na casa de gentios. O centurião perguntou aos anciãos judeus o que poderia fazer para que Jesus Cristo fosse a sua casa para orar por seu servo.
Que lógica os anciãos aplicaram ao caso? Ele disseram: "Porque (o centurião) é amigo do nosso povo (Israel), e ele mesmo nos edificou a sinagoga". O centurião abençoara a nação de Israel e povo judeu com ações práticas de bondade. Jesus foi com os anciãos e orou pelo servo do centurião que foi curado.

No capítulo 10 de Atos dos Apóstolos lemos também o caso de outro centurião (Cornélio), que era um "homem reto e temente a Deus e tendo bom testemunho de toda a nação judaica". Um centurião romano - portanto, um gentio - que abençoou o povo judeu. Deus abriu as janelas do céu e derramou sobre ele e sua casa bênçãos tais que não podiam ser contada.

"Orai pela paz de Jerusalém! Sejam prósperos os que te amam. Reine paz dentro de teus muros e prosperidade nos teus palácios" (Salmo 122.6-7).

Nenhum comentário:

Postar um comentário